Fachada de prédio em destaque na paisagem do bairro, com montanha ao fundo.

No tradicional bairro La Aguacatala, em Medellín, fica o edifício corporativo GP, que se insere respeitando o passado residencial do local, agora mais povoado por empresas e serviços.

Nas fachadas, três materiais se destacam: tijolo (para resgatar sistemas construtivos típicos da cidade), concreto e metal.

<span class=”hidden”>–</span>Mateo Soto/Divulgação

A vegetação em floreiras entra como o quarto material, reforçando o caráter tropical do projeto e certa identidade cultural. Estratégias bioclimáticas estão por toda parte: a luz solar é trabalhada com plantas e brises de metal; a ventilação cruzada vem dos espaços abertos e a energia é obtida de painéis solares instalados na cobertura.

Continua após a publicidade

<span class=”hidden”>–</span>Mateo Soto/Divulgação

O design de interiores dá voz às lições aprendidas na pandemia: é mais acolhedor e com ares de casa para receber bem os nômades digitais. Além disso, tira proveito de tons terracota, materiais nobres e reconhece o valor cênico de sua estrutura metálica.

<span class=”hidden”>–</span>Mateo Sato/Divulgação

Segundo os arquitetos do escritório AO+, autores do projeto, o prédio buscou reinterpretar o patrimônio, com uma crítica às formas mais usuais, de olho em uma sociedade em transição e em constantes transformações.

Continua após a publicidade

©