Por Isabella Nalon Arquitetura

Presente na área social, o sofá é um dos móveis mais utilizados nas residências. Com isso, demanda uma frequência regular de limpeza como forma de ampliar sua durabilidade. Projeto da arquiteta Isabella Nalon.Julia Herman/Landhi

Peça importante em todos os lares, o sofá é responsável pelo conforto e momentos de relaxamento para os moradores e convidados. Porém, a troca desse item não é feita com frequência, já que o custo do móvel inviabiliza uma substituição constante.

Projeto de SketchLab Arquitetura.Juliano Colodeti/Casa.com.br

Por isso, é necessário mantê-lo sempre em bom estado e cuidar regularmente de sua limpeza, garantindo assim uma vida útil muito maior. “Pode passar despercebido à primeira vista, mas a poeira, migalhas, restos de comidas e manchas decorrentes de vários fatores podem, com o tempo, danificar o estofado de uma maneira irreversível”, relata a arquiteta Isabella Nalon, à frente do escritório que leva o seu nome.

Ao limpar o sofá, o morador precisa analisar o tipo de produto a ser empregado, pois se não forem compatíveis com o tecido do móvel podem resultar em manchas e danos – um desgosto para o morador. Projeto da arquiteta Isabella Nalon.Julia Herman/Landhi

A profissional ainda afirma que, a reta final de 2022 é um período interessante para cuidar do sofá, deixando o living prontinho para os festejos de final do ano.

Mas como cuidar para manter o sofá impecável? De acordo com a arquiteta, a rotina diária (ou semanal) é fundamental para a conservação, principalmente nos lares de quem conserva o hábito de fazer as refeições sentados sobre ele.

Projeto de Souza Kaza Arquitetura.Julia Herman/Casa.com.br

“Não deixar a sujeira acumular é o segredo. Nestes casos, eu indico o aspirador para uma limpeza com a frequência de duas vezes por semana. Capas, mantas e almofadas ajudam a proteger o sofá”, aconselha a arquiteta.

Para quem tem um sofá de couro, passar o hidratante apropriado para a hidratação do material colabora para uma melhor conservação.

Tecidos práticos para a casa

Sofás em tons mais escuros camuflam a sujeira e a limpeza profunda não precisa ser tão frequente. Isabella propõe a frequência de, pelo menos, uma vez ao ano. Projeto da arquiteta Isabella Nalon.Julia Herman/Landhi

O couro natural ou sintético é um dos tecidos mais resistentes e fáceis de limpar, além de promoverem alta durabilidade, sem a necessidade de cuidados intensos. “Sem contar que não absorve sujeiras. Por isso, aconselho para quem gosta de passar bastante tempo no sofá”, explana a arquiteta.

Já o Acquablock é outro material muito prático, uma vez que as manchas não aderem às fibras, impedindo que a poeira se acumule. Com sua experiência, Isabella costuma especificar sofás com esse material inteligente em casas situadas na orla do litoral, em áreas com piscina ou com crianças e pets.

Projeto de Cristina Bezamat.Denilson Machado, do MCA Estúdio/Casa.com.br

“A lona não é muito convencional, mas também é um dos tecidos mais resistentes que podemos encontrar. Reconhecido por seu conforto, também gosto muito do suede, que é igualmente fácil para limpar e é longevo. Com esse efeito de camurça sintética, produzida com poliéster sem trama, a estética é linda e ainda evita o acúmulo de poeira”, relata Isabella.

Continua após a publicidade

Impermeabilização

Projeto de Maurício Nóbrega.André Nazareth/Casa.com.br

Outra maneira de conservar o sofá é através de impermeabilização – zelo que coopera para dar vida longa ao tecido.

Nesse processo realizado por uma empresa especializada é aplicado um produto, por meio de um pulverizador, que fecha as fibras do tecido, evitando a penetração de líquidos derramados, não deixando umedecer a superfície.

“A impermeabilização previne as manchas e maus odores. No caso de sofás usados, torna-se necessário efetuar a limpeza antes do procedimento”, comenta Isabella.

Cada empresa possui uma técnica e produto para a realização do trabalho. Portanto, é relevante entrar no detalhamento para escolher a metodologia a ser contratada. Vale lembrar que a atividade não altera a cor e nem a textura do tecido e, depois de efetivado, deve-se aguardar entre duas a três horas para sentar-se novamente.

E como limpar?

Visando a ampliação da vida útil e da beleza, sofás posicionados em áreas externas demandam tecidos próprios e resistentes às intempéries. Projeto da arquiteta Isabella Nalon.Julia Herman/Landhi

Além da impermeabilização, empresas do mercado também executam a higienização. Por meio de produtos bactericidas e fungicidas, o sofá conta com a eliminação de micro-organismos que se acumulam nas fibras do tecido e são prejudiciais à saúde.

“Os variados tipos de tecido se comportam de maneira diferente na hora da limpeza. Um produto aplicado de forma errada pode ocasionar uma grande dor de cabeça e um problema ainda maior e mais difícil de ser solucionado. Por isso, sempre digo para meus clientes não se arriscarem em casa. Contratar um especialista é o melhor caminho”, salienta a arquiteta.

Caiu um líquido ou um alimento no sofá. E agora?

Projeto de Mar Arquitetura.Jeff Stunner/Casa.com.br

As manchas são as maiores inimigas do sofá! No afã de tentar removê-las de forma rápida, o morador pode ser ‘premiado’ com grandes danos no móvel. O segredo é não permitir o acúmulo.

Para contornar situações desagradáveis, duas medidas: um pano levemente úmido juntamente com algumas gotas de detergente neutro e, em alguns casos, uma escovinha de cerdas macias costumam ser eficazes.

Entretanto, nada de agir por impulso: Isabella orienta um teste em uma área cega do sofá para avaliar possíveis reações. “Em hipótese algum utilize outro produto que não seja detergente neutro. Do contrário, o risco de avarias é grande”, acrescenta.

Residências com pets

Tecidos pet friendly são essenciais quando os animais usufruem da estrutura de toda casa. No caso dos sofás, o material eleito não pode se danificar facilmente com arranhões e sujeira. Projeto da arquiteta Isabella Nalon.Evelyn Müller/Casa.com.br

Nas residências com os pets que estão acostumados a subir no sofá, é imprescindível uma limpeza assídua. A dica é evitar tecidos com texturas que desfiam facilmente ou com alta aderência aos pelos.

Entre os acabamentos sugeridos, microfibra, poliéster e couro são lisos, fáceis de limpar e ainda melhor quando acompanhados por capas e mantas para auxiliar na conservação. “Caso o aspirador não seja suficiente para absorver os pelos, a fita adesiva é uma excelente aliada”, finaliza Isabella.

Confira mais conteúdos como este e inspirações de decoração no portal Landhi!

Continua após a publicidade

©