Depois de criar um ambiente em homenagem a Atilio Baschera e Gregorio Kramer, em 2022, Marcelo Salum se lança a um novo desafio: valorizar as culturas africana e brasileira, tendo como ponto de partida o samba e como principal parceira a Casa Riachuelo, marca nordestina que tem como principal propósito gerar conexão e ofertar produtos que despertam o desejo de tornar o lar em um refúgio.

Quarto com cabeceira estampada, cama de casal com roupa de cama colorida e parede coral.
<span class=”hidden”>–</span>MCA Estúdio/CASACOR

Assim nasceu a “Morada do Samba”, espaço que marca a 9ª participação do arquiteto em CASACOR, sendo a quarta na edição paulistana do evento.

Sala de estar com pé-direito alto, parede verde, sofá baixo, poltrona e mesa de centro de madeira.
<span class=”hidden”>–</span>MCA Estúdio/CASACOR

“Como uma empresa 100% brasileira, não haveria maneira melhor de reverenciar um dos principais símbolos e patrimônios culturais imateriais do país.

Acreditamos no poder da música para gerar conversas por meio, não somente das letras, mas também dos sentimentos que despertam e experiências que proporcionam. O ambiente de Salum traduz a brasilidade e forte influência das raízes do samba e tem o poder de nos levar para uma viagem na história, assim como em uma canção”, diz Edgard Nicola Sanches, Diretor Comercial da Casa Riachuelo.

Sala de jantar com parede verde, mesa redonda de madeira, luminária.
<span class=”hidden”>–</span>MCA Estúdio/CASACOR

Salum tem uma grande ligação com a música em geral, mas suas memórias de criança, durante as férias de verão sempre estão entremeadas com o samba, desde momentos em família, passando, inclusive, pelos desfiles de Carnaval, que assistia pela TV.

O arquiteto ficava vidrado nas cores, nas fantasias maravilhosas: “é um ritmo que mexe comigo”, declara. Então, a ideia era trazer todas essas referências, essa força, alegria e ritmo para seu projeto em CASACOR São Paulo.

Hall de entrada com piso geométrico, paredes coral e quadro.
<span class=”hidden”>–</span>MCA Estúdio/CASACOR

Em seus projetos, Salum sempre cria buscando a Proporção Aurea. E neste não seria diferente: ela aparece já no pórtico de entrada do espaço e em sua distribuição, feita em três momentos: um hall, um espaço central com duas áreas de estar, jantar e cozinha, e por último, um quarto com banheiro e escritório.

Paleta de cores

Sala de estar com parede verde, sofá baixo branco com listras verdes e mesa de centro de madeira.
<span class=”hidden”>–</span>MCA Estúdio/CASACOR
Continua após a publicidade

Como característica do trabalho de Salum, o destaque desse espaço é a mistura de cores e produção cheia de detalhes e que ajuda a contar a história do ambiente.

Neste quesito, a Casa Riachuelo empresta a sofisticação e atemporalidade da coleção assinada junto a marca Allmost Vintage, vista nas cerâmicas dos pratos, bowls e xícaras nos tons de verde, azul e laranja, e combinada organicamente com outras peças da coleção de Outono-Inverno, como as taças e cestarias variadas.

Banheiro com banheira solta, piso geométrico e cortina estampada
<span class=”hidden”>–</span>MCA Estúdio/CASACOR

Já as cores foram definidas a partir da escolha dos pisos. São três modelos diferentes, da Ceusa: Easy, (que traz as cores – três tonalidades de coral e três de verde), Retrô (um ladrilho decorado, que remete às antigas fazendas); e Flakes, que remete aos confetes típicos do carnaval.

Em seguida, essas cores chegam às paredes, pintadas em degradê, em duas diferentes cartelas: o coral e o verde, que aparecem também no revestimento de algumas paredes, a partir de painéis com desenhos inspirados na cultura Ashanti, mais especificamente nas formas geométricas dos símbolos Adinkra – executados pela Duratex, com desenho do escritório Marcelo Salum – e aplicados em paredes pontuais, que emolduram algumas obras de arte.

Obras de arte

Sala de estar com sofá cinza, poltronas coral e parede verde com pé-direito alto.
<span class=”hidden”>–</span>MCA Estúdio/CASACOR

A escolha das obras de arte tem grande importância no projeto. Para compor o ambiente, algumas máscaras – elemento bem representativo da cultura africana – serão fornecidas pelo acervo museológico da Pangea. Vale ressaltar ainda a obra de Emerson Rocha, inspirada em uma fotografia de Alberto Henschel tirada em 1839, na Bahia. Nessa obra de Rocha, o artista “realoca” essa figura, levando em conta o contexto da república que, desde a proclamação, é governada por homens brancos e cristãos.

O projeto traz também uma tela na entrada e duas esculturas de Daniel Jorge, a pintura de uma roda de samba, feita com exclusividade pelo artista Luiz Pasqualini, além de um oratório de São Jorge de Juliano Aguiar, fotografias de Juliana Hofmann, Bruno Jungmann, Mario Cravo Neto, Carlos Vergara e a pintura de Maurício Adinolfi (esses três últimos representados pela galeria Bolsa de Arte), entre outros.

Mobiliário

Sala de estar com parede verde, sofá baixo branco com listras verdes e mesa de centro de madeira.
<span class=”hidden”>–</span>MCA Estúdio/CASACOR

Quanto ao mix de móveis utilizados, sobressaem as criações do escritório Marcelo Salum e do Estúdio Fresa, de Salum e Frederico Cruz, cuja inspiração vem da obra de Rubem Valentim, e que traz influências da cultura africana e seus símbolos religiosos, dando origem a duas poltronas e dois bancos.

Há ainda novidades assinadas por Roberta Banqueri junto às peças de antiquário, de Arnaldo Danemberg e da Galeria Teo, dispostas lado a lado, com móveis de Jader Almeida (Sollos), Studio Ambientes.

O escritório de Marcelo Salum cuidou de tudo nos mínimos detalhes e, ainda, assina os puxadores de todas as portas, do quarto à cozinha. Na iluminação, luzes de led contribuem com a sustentabilidade e destaque para as criações de Cristiana Bertolucci e projeto luminotécnico, executados pela Ouse Iluminação.

Continua após a publicidade

©