<span class=”hidden”>–</span>Tom Mannion/Dezeen

Annie Larkins, graduada da Central Saint Martins, Londres, aborda questões de produção de alimentos com sua alternativa aos ovos de galinha de formatos peculiares, feita com proteína de ervilha, sal e ácido derivado de algas.

O projeto An Egg Without a Chicken de Larkins foi iniciado em resposta às práticas agrícolas industriais que são usadas para atender à alta demanda por ovos – com cerca de 36 milhões consumidos por dia no Reino Unido.

<span class=”hidden”>–</span>Cottonbro/Pexels

“Meu projeto é um conceito lúdico que é mais uma abertura ao debate do que um argumento simplista de que ‘animal é ruim e planta é bom’, às vezes é associado ao veganismo”, disse ela a Dezeen.

A designer começou a explorar como o design pode ser usado para recriar ou melhorar o ovo sem ser limitado pela capacidade biológica de uma galinha.

Ao fazer isso, ela alterou sua forma, alongando-os ou moldando-os em cubos. Mas Larkins queria que seu substituto permanecesse fiel à forma original do alimento — com uma clara e uma gema — que tivesse uma casca que rachasse, valor nutricional e sabor semelhantes e não precisasse de pássaros para faze-lo.

<span class=”hidden”>–</span>Tom Mannion/Dezeen

“Diante das mudanças climáticas, precisamos nos afastar da agricultura intensiva de animais e explorar fontes alternativas de proteína”, explicou Larkins.

“Atualmente, há um interesse crescente no veganismo e a demanda por alternativas à base de plantas está em alta”, continuou ela.

“Embora já existam alternativas ao ovo — baseadas em plantas ou cultivadas sinteticamente em laboratório — elas negligenciam a essência do que é um ovo”, continuou Larkins.

A designer apresentou os resultados de seu experimento na Dutch Design Week ano passado, que aconteceu em Eindhoven de 19 a 27 de outubro.

<span class=”hidden”>–</span>Polina Tankilevitch/Pexels

O ingrediente chave em seu ovo sem ovo é um isolado de proteína de ervilha, usado para replicar os nutrientes do alimento real.

Ela usou o sal Kala Namak — um sal-gema queimado em forno usado no sul da Ásia — para reproduzir o sabor “semelhante ao enxofre” do ovo e um alginato — um ácido encontrado nas paredes celulares das algas marrons — para criar uma forma semelhante à gema que pode estourar.

Em alguns casos, ela adicionou uma camada de membrana para manter a mistura unida.

Continua após a publicidade

<span class=”hidden”>–</span>Mikhail Nilov/Pexels

Para completar a “experiência completa do ovo”, que inclui ser capaz de quebrá-lo, Larkins criou um exterior em forma de concha mergulhando o ovo em cera derretida à base de plantas e construindo isso em camadas, ou formando duas metades de um casca e derretendo-os juntos.

“Claro que há limites para o que vale a pena imitar — e um ovo sem galinha está definitivamente chegando ao absurdo — mas acho que é mais fácil persuadir alguém a fazer uma mudança se você fornecer uma alternativa em vez de simplesmente dizer para ficar sem,” argumenta Larkins a Dezeen.

<span class=”hidden”>–</span>Tom Mannion/Dezeen

“Algumas pessoas que optam por ser veganas ainda gostam da experiência de comer carne e deveriam ter uma experiência semelhante à carne sem ter que se defender”, continuou a designer.

“O desejo humano de consumir carne e produtos de origem animal é profundo em culturas globalmente, e ter uma alternativa que permita uma mudança fácil para produtos à base de plantas parece uma coisa boa para mim”, acrescentou.

<span class=”hidden”>–</span>Roman Odintsov/Pexels

Larkins enfatiza que ela não está tentando fazer um produto comercialmente viável, mas sua receita é um trabalho em andamento que propõe uma solução para o problema de alimentar uma população crescente sem prejudicar o meio ambiente.

Ela espera que seu substituto abra espaço para discussões sobre as questões de abastecimento e produção de alimentos na crise climática.

“Ao longo das experiências ficou claro que as alternativas não são automaticamente melhores”, explicou ela. “Alguns substitutos vêm com seu próprio impacto ambiental e compromissos em sabor, eficiência e forma.”

<span class=”hidden”>–</span>Tom Mannion/Dezeen

Larkins não é a primeiro designer a experimentar alternativas à base de plantas para produtos animais. A designer Julia Schwarz desenvolveu uma gama de produtos alimentares nutricionais feitos de um fungo musgoso chamado líquen, para a vida após um apocalipse, ou em Marte.

Alternativamente, o bioengenheiro italiano Giuseppe Scionti, da startup espanhola Novameat, inventou o “primeiro” bife sem carne impresso em 3D feito de proteínas vegetais, como arroz, ervilhas e algas marinhas.

*Via Dezeen

Continua após a publicidade

©