Empenas no bairro do Bixiga feitas pelas artistas Nazura e Auá.Valmir Rodrigues/Casa.com.br

De Argentina a Manaus, passando pela Bahia, oito artistas de diferentes trajetórias e territórios agora se encontram nas ruas de São Paulo. A produtora de artes Gentilização inaugura um novo museu de arte urbana à céu aberto em bairros centrais e periféricos da cidade, visando um acesso direto à arte, por meio da arte pública.

As oito obras abordam a inclusão, a ancestralidade, a espiritualidade, o acolhimento, entre outros diálogos, que levam mais cor, leveza, diversidade e conexão para o olhar sob o concreto das ruas. O projeto é financiado pelo MAR (Museu de Arte de SP) da Secretaria Municipal de Cultura.

Artes cheias de significados

Em tempos tão doloridos de nossa história recente, o propósito do artista Felipe Yung, (Flip), é acolher. O desenho foi desenvolvido entre o artista e seu filho Bento, um menino autista. Com as cores do arco-íris, a arte representa um acolhimento à diversidade e à aceitação, além do acolhimento entre pai e filho.

“Essa obra, vem como um manifesto a nossa tão dolorida sociedade neste Século 21, que clama por abrigo, pertencimento e amor”, conta o artista. O muro pode ser visto na Zona Leste, no Céu José Bonifácio – Jardim São Pedro.

Mural do artista Flip.Chu Juke/Casa.com.br

A relação familiar também é vista na obra da argentina Lela Monsegur, muralista e artista visual com artes espalhadas pelos muros da Europa e da América Latina. A obra de Lela, chamada “Bordado de Memórias” faz menção ao bordado como uma tradição artesanal, que se ancora na passagem de conhecimentos entre as gerações, principalmente entre as mulheres.

“Na arte, a bordadeira idosa, matriarca, elabora uma manta calmamente, numa ação quase meditativa, símbolo da transmissão de conhecimento que acontece no presente, enquanto a menina alinhava a linha na agulha, como símbolo de conexão e de continuidade”, explica a artista. Alinhada à luta pela preservação do meio ambiente, a artista utiliza tintas ecológicas no mural.

Mural da artista Lela.Valmir Rodrigues/Casa.com.br

A relação entre as mulheres também é vista na obra “Ancestralidade”, da paulista Mimura Rodriguez. A arte traz a representação dos aprendizados trocados através do cuidado.

“Falar sobre ancestralidade é algo que nos remete ao passado mas pra mim é também tecnologia para criarmos futuro. Nossa existência é circular e honrar a luta de nossas mais velhas é vivermos de forma plena por nós e pelas nossas mais novas”, conta a muralista. A obra foi estampada no CEU Butantã.

Continua após a publicidade

Mural da artista Mimura.Lucas Camaleão/Casa.com.br

Para o baiano Ógbá, as raízes também são importantes. Nascido em Ipiaú, uma cidade baiana banhada por rios, recentemente, o artista mergulhou nas memórias familiares em suas obras.

Por meio de um resgate ancestral, Ógbá mescla as influências africanas e baianas com o cotidiano de São Paulo, cidade onde reside atualmente, para retratar o protagonismo negro. Em sua nova arte, chamada “A Trabalhadora”, ele viabiliza os profissionais da reciclagem.

“A arte tem como objetivos dar visibilidade ao trabalho já realizado pelos catadores e catadoras de materiais recicláveis e ajudar a promover a superação de preconceitos que impedem o reconhecimento da profissão”, diz o artista.

Mural do artista Obgá.Valmir Rodrigues/Casa.com.br

No CEU Butatã também está a obra “Real”, do artista Pegge, que retrata a representatividade de heróis negros no basquete mundial e como essa representatividade ajuda a criar sonhos e protagonismo nas crianças pretas que também querem jogar. “Com a arte, elas podem ver astros que se pareçam com elas serem aclamados”, conta.

A negritude também está presente nas obras da Nazura, da Zona Leste de São Paulo. Em “A Força que a Voz tem”, a artista representa a conexão feminina negra com as energias de mudanças necessárias para existir e resistir em ambientes violentos e coloniais.

“A serpente representa dentro de suas simbologias, a transmutação, a mudança, a fortificação espiritual. Dentro do conceito da ilustração, remete à força negra feminina”, diz. A arte está na Rua Jaceguay, 581 – Bexiga.

Mural da artista Carolina.Valmir Rodrigues/Casa.com.br

Diretamente de Manaus, a indígena Auá assina a obra “Ãgawara-itá mukatúru: As encantadas protegem”. A arte mergulha na espiritualidade dos povos originários para representar a proteção da grande Deusa. “É uma arte sobre conexão, demarcação, respeito, proteção. É para que eu nunca me esqueça de tudo que foi feito para que eu estivesse viva, ontem, hoje e sempre”.

Nas imediações de Guarulhos e São Miguel Paulista, a arte de Carolina Itzá fala sobre a atuação das mulheres em territórios periféricos. A artista, de ascendência amarela, traz também para o mural a perspectiva do ideograma chinês “Jing – O caldeirão”, que tem, entre seus significados, o alimento material e espiritual.

A ideia da arte é ser um registro sensível da história da organização das mulheres em associações de bairro, nas lutas por moradia e creche, entre outras importantes conquistas que estruturaram as periferias urbanas. A arte está na Rua Papiro do Egito, 1984 – Ermelino Matarazzo.

Endereço das empenas:

  • Murais da Nazura e Auá Mendes: Rua Jaceguay, 518 – Bixiga
  • Carolina itza: Rua Papiro do Egito, 1834, Jardim Nair, Ermelino Matarazzo
  • Leila Monsegur: Céu Butantã
  • Pegge: Céu Butantã
  • Mimura: céu Butantã
  • Ogba: Céu Parque Novo Mundo
  • Flip e Bento: Céu São Pedro José Bonifácio
Continua após a publicidade

©