Seca na Espanha revela monumento megalítico de 5.000 anos



A seca rigorosa na região de Estremadura, Espanha, tirou do esquecimento o Dolmen de Guadalperal, um dos principais monumentos megalíticos da Península Ibérica. Conhecido como o “Stonehenge espanhol“, o tesouro histórico estava submerso há quase 60 anos e ressurgiu de forma inesperada após o período de estiagem que atingiu a região no último verão.

 


 

Seca na Espanha revela monumento megalítico de 5.000 anos (Foto: Ruben Ortega Martin)


 

+ Arqueólogos encontram urnas funerárias indígenas em comunidade no Amazonas

O monumento desapareceu em 1963 sob as águas do reservatório de Valdecañas, uma estrutura hidráulica no oeste da Espanha construída durante o regime do ditador Francisco Franco. Composto por 93 menires com até 2 metros de altura, o Dolmen pode ser até 2.000 anos mais antigo do que o Stonehenge, no Reino Unido. Mas segundo os historiadores, o tesouro é uma construção diferente do icônico monumento inglês. Enquanto a versão espanhola é um cemitério que data de 4000 a 2500 aC, o Stonehenge foi construído entre 3100 e 2000 aC e não foi usado apenas como sepulcro.

+ Escudo celta de 2300 anos é descoberto por arqueólogos na Inglaterra

A redescoberta do Dolmen de Guadalperal foi comemorada pela população local. “Crescemos ouvindo sobre a lenda do tesouro escondido sob o lago e agora finalmente conseguimos vê-lo”, declarou Angel Castaño, morador da região e presidente associação cultural Raíces de Paralêda, ao jornal The Local. “É uma oportunidade de falar sobre a herança megalítica da Espanha”.

+ Fotos mostram devastação e prédios abandonados em Fukushima 8 anos após acidente nuclear

Seca na Espanha revela monumento megalítico de 5.000 anos (Foto: Ruben Ortega Martin)


 

+ Fotógrafo captura a beleza assombrante de locais abandonados
+ Mosaicos romanos de 2 mil anos são encontrados

Ao portal Euronews, o pesquisador do Conselho Nacional de Pesquisa da Espanha Enrique Cerrillo Cuenca afirmou que, além do monumento em Estremadura, estima-se que outros semelhantes possam ser encontrados futuramente nas regiões próximas. “Sabemos que os dolmens estão submersos em reservatórios em outros pontos do rio Tejo, como Guadancil, a poucos quilômetros de Guadalperal”, disse. “A presença de um dolmen é uma espécie de ‘ponta do iceberg’ e que em torno dos grandes monumentos pode haver monumentos menores ou menos importantes agrupados”.

+ Egito pede que Interpol recupere busto de faraó leiloado em Londres

Acompanha tudo de Casa Vogue? Agora você pode ler as edições e matérias exclusivas no Globo Mais, o app com conteúdo para todos os momentos do seu dia. Baixe agora!

 

 

©