O beiral em diagonal (forro de madeira da Plancus) delimita a varanda, na qual as poltronas Astúrias (Carlos Motta) criam um espaço de conversa. À direita, cadeiras de estilo diretor (Casual) cercam a mesa desenhada pelo escritório. Paisagismo de Gil Fialho.Revista CASA CLAUDIA

A inspiração veio do terreno: amplo, aberto. Foi ele que ditou a forma desta casa de fim de semana, projetada por Paulo e Bernardo Jacobsen para uma família paulista. Uma lista restrita de materiais (madeira, metal, cimento e vidro) se repete nos acabamentos, todos simples e bem usados. Já a forma é altamente sofisticada – marca registrada do escritório de arquitetura carioca, dividido por pai e filho.

No centro do estar, o par de poltronas Mole (Sergio Rodrigues) define o clima de conforto. Sofás feitos sob medida (Paschoal Ambrosio) e luminária de piso Twiggy, da Lumini. Ao fundo, cadeiras Pat (Flexform) e mesa de jantar de Monica Cintra. A lareira de pedra-sabão foi executada pela Pagliotto.Revista CASA CLAUDIA

“Foram várias maquetes de isopor até chegarmos ao alinhamento final da planta, que desenha uma espécie de ziguezague, buscando as melhores vistas do entorno”, explica Bernardo. “Nossa preocupação era entender como o espaço interno se comunicaria com a paisagem. Era óbvio que grande parte das paredes seria substituída por painéis de vidro. A ideia aqui é estar, o máximo possível, do lado de fora.”

Feitos de freijó, os armários da cozinha têm um visual limpo, sem puxadores aparentes. Bancadas de granito preto-absoluto.Revista CASA CLAUDIA

Desenhar o vazio, criando o paisagismo antes mesmo de delinear a estrutura, faz parte do processo de criação da dupla. Os Jacobsen valorizam, acima de tudo, os ambientes integrados, com muita luz natural, a circulação cruzada e um visual livre de excessos. “A decoração e a marcenaria se adaptam à arquitetura sem sobressalto. É um estilo discreto, despojado e confortável”, afirma Bernardo.

A estante de freijó do estar se prolonga até a sala de jogos. O conceito é de um grande living contínuo.Revista CASA CLAUDIA

Nesse projeto, houve o propósito de buscar um clima de campo por meio de detalhes como o teto forrado de lâminas de madeira. “Trouxemos esse toque mais quente também nas cores dos estofados”, diz ele. O design de interiores contou com a parceria de Eza Viegas.

Espreguiçadeiras de Carlos Motta acompanham a piscina, revestida por dentro de pedra azul hijau (Palimanan). No piso, as placas de granito itaúnas foram intercaladas com grama.Revista CASA CLAUDIA

Para quem olha a construção de longe, são os brises de alumínio, com acabamento que lembra aço corten, o que mais chama a atenção. Eles protegem o pavilhão dos quartos, como uma trama artesanal. “As lâminas têm tamanhos irregulares e se recolhem por completo, mas os proprietários dizem que raramente as usam. Dá para ver a paisagem de dentro da casa.”



A parte superior da casa avança sobre a inferior, dando origem a uma varanda. Por cima da caixa de vidro, os brises de alumínio, com textura de aço corten, compõem a malha que resguarda os quartos – as lâminas podem ser recolhidas para ampliar a entrada de luz.Revista CASA CLAUDIA

©