Thiago Travesso/Casa.com.br

Quem já passou pela tragédia de um incêndio sabe o quanto o lema “segurança em primeiro lugar” é importante. Às vezes, um pequeno descuido pode acabar com consequências gravíssimas. Confira aqui o depoimento da arquiteta Bia Hajnal sobre dois projetos de reconstrução após incêndios e tome as devidas medidas de prevenção.

Cuidados com os circuitos elétricos

 

Thiago Travesso/Casa.com.br

Neste apartamento nos Jardins, São Paulo, o incêndio foi causado por uma secadora de roupas. Embora eles já tivessem o equipamento há tempos, este tipo de eletro consome bastante energia e é fundamental que a instalação elétrica seja executada de acordo com as normas.

Thiago Travesso/Casa.com.br

Tanto o plug da tomada (geralmente aquele pino mais grosso de 20A) quanto a fiação que vai da tomada até o quadro, precisam ser bem feitos e dentro das especificações. É preciso que o circuito seja independente (que vai da tomada até o quadro, sem derivações), com a bitola especificada pelo fabricante.

Thiago Travesso/Casa.com.br

O quadro de luz também precisa ter os disjuntores adequados para cada equipamento e cada potência. E nunca, em hipótese nenhuma, usar adaptadores de tomadas, aquele ‘benjamim’ (eles não são testados pelo INMETRO e demais órgãos). Na verdade, adaptador nenhum é validado e não devem ser usados, mas nesses casos de máquinas mais potentes, é ainda pior.

Durante os períodos de ausência, cuidado redobrado

 

Thiago Travesso/Casa.com.br

Os moradores usavam a secadora há algum tempo, mas em algum momento o sistema elétrico se sobrecarrega, a fiação ressaca e/ou o quadro de luz não suporta. Geralmente conseguimos ver o princípio do curto circuito com faísca, ou mesmo cheiro de queimado na tomada, mas nesse caso a máquina estava ligada enquanto eles estavam no trabalho.

Veja também

Então foi só depois que o incêndio começou, os vizinhos viram e invadiram o imóvel para apagar. Por sorte as chamas só atingiram a lavanderia mesmo, mas a fuligem e fumaça do fogo se alastrou (e muito) por todo o imóvel, comprometendo pintura, tecidos, e móveis de todos os ambientes. Aliás, isso é outro ponto: evitar deixar eletrodomésticos dessa potência ligados funcionando, sem ninguém no imóvel.

Refazendo os lares

 

Thiago Travesso/Casa.com.br

Já em outro apartamento, em Pinheiros, também em São Paulo, o incêndio aconteceu no apartamento de baixo. Foi no meio da noite, então não se sabe ao certo a causa, mas possivelmente aconteceu um curto circuito também.

As labaredas do fogo queimaram todo o quarto e também o banheiro da suíte, comprometendo totalmente a tubulação de hidráulica do apartamento de cima, que foi onde fiz a reforma. Além disso, o fogo saiu pela janela e, segundo os clientes, só não entrou no quarto deles, devido a uma janela antirruído que existia lá.

O vidro duplo ajudou muito a barrar as labaredas, que queimam a estrutura da janela, mas impediram as chamas de entrar.

Thiago Travesso/Casa.com.br

Estive nesse apartamento dois dias após o incêndio e, mesmo tendo sido no apartamento de baixo, o imóvel deles estava com bastante cheiro de queimado. A parte do banheiro parecia intacta, mas toda a tubulação por baixo estava derretida, então foi preciso trocar toda a tubulação e também os revestimentos.

O dano no quarto foi apenas a janela queimada e trincada, que também foi trocada por nova esquadria antirruído. E então aproveitamos para pintar, adequar elétrica, ar condicionado e marcenaria.

©











Loading...