Drag queens entregam refeições e performances com delivery divertido em São Francisco (Foto: Reprodução / Instagram @theoasissf)

 

Em 2020, D’Arcy Drollinger e Heklina completariam 5 anos como donos da boate Oasis, em São Francisco. Vencedora de prêmios, a casa noturna LGBTI+ é famosa na cidade americana por suas apresentações de drag queens e drag kings, que dublam clássicos da música com muita produção, coreografia e interpretações teatrais. Tudo mudou em 2020 e o problema, é claro, não poderia ter sido outro: a pandemia do novo coronavírus obrigou os sócios Drollinger e Heklina, que também se apresentam como drag queens, a fecharem as portas em março. Mas uma ideia conseguiu dar um novo sopro à boate, seus funcionários e até à comunidade de São Francisco: por cerca de US$ 100 (R$ 530, na cotação atual), os moradores da cidade podem pedir pratos e drinks que são entregues em suas casas por drag queens e drag kings que fazem uma apresentação completa (à distância!) na calçada para os clientes.

A ideia foi batizada de “Meals on Heels” (algo como “Refeições em Salto Alto”) e vem chamando atenção. “Nós fomos obrigados a usar a criatividade. Uma solução que pensamos para conseguir alguma renda e para empregar trabalhadores locais que estavam desempregados foi um serviço de delivery drag na porta das pessoas!”,  afirma a direção do clube, em entrevista à Casa Vogue.

 

A comida é feita pelo serviço de entregas de refeições caseiras Martha Avenue, com quem o Oasis estabeleceu uma parceria. O cardápio inclui opções de massa, carnes, frango, salada e sobremesas feitas pelo chef Willi Nordby e pela atriz e padeira Cindy Goldfield. Os drinks são entregues em garrafas de aproximadamente 500 ml, prontos para serem despejados sobre gelo para serem consumidos. E os clientes podem assistir ao show das janelas ou das calçadas, desde que respeitado o distanciamento social e o uso de máscaras.

  •  

Drag queens entregam refeições e performances com delivery divertido em São Francisco (Foto: Reprodução / Instagram @theoasissf)


 

A lista de músicas interpretadas inclui clássicos de musicais como “Mamma Mia” e “Wicked”, que garantem uma performance caprichada. Segundo Drollinger, a iniciativa tem três prioridades: manter o Oasis de pé durante a pandemia, ajudar financeiramente os artistas que não têm onde se apresentar com o fechamento das boates, e manter um certo sentimento de comunidade: tanto com a comunidade LGBTI+ que frequenta o Oasis, quanto com a cidade em geral. Afinal, um dos grandes apelos do serviço é dar às pessoas a sensação de que estão tendo uma experiência similar a ir a um restaurante e assistir a um show, atividades que faziam parte da vida cotidiana antes da pandemia.

 

Mas é claro que não foi fácil: afinal, drag queens e drag kings que participam do “Meals on Heels” precisaram se adaptar a um novo palco, muito mais desafiador: as ruas! Com as diversas colinas de São Francisco e, claro, com os saltos, não é fácil fazer as apresentações elaboradas. “Para começar, interpretar a mesma música 5 a 10 vezes por noite é algo novo e um desafio que os artistas não necessariamente enfrentam em uma situação normal. Também é muito diferente andar em um terreno novo a cada apresentação: temos que passar por morros inclinados, pets e crianças quando nos apresentamos nas calçadas”, explicam. “Mas é um desafio divertido e emocionante, sem dúvidas!”.

Mesmo com as dificuldades, os artistas conseguiram se adaptar e oferecer momentos de distração e entretenimento ao vivo para os clientes. Aliás, o serviço tem chamado tanto a atenção que agora há até uma fila de espera. “Nós só marcamos 2 a 3 performances por noite, mas hoje temos provavelmente de 30 a 40 artistas se apresentando”, diz o clube. E, para ajudar outros pequenos negócios da região, o Oasis tem buscado fazer parcerias com mais restaurantes menores da área, para que se apoiem durante o período difícil.

Entretanto, o Oasis ainda não sabe por quanto tempo poderá continuar com o “Meals on Heels”. “É muito difícil dizer. Por quanto tempo a pandemia continuará? Como será o mundo depois que isso tiver ‘terminado’? É claro que é algo que trouxe muita alegria para a comunidade, então temos toda a intenção de continuar com o projeto enquanto pudermos. Mas estamos vivendo uma semana de cada vez, no momento”, finalizam.

E aí, o que achou da ideia? Criativa, não? Confira um pouco da performance de “Honey Honey”, do musical “Mamma Mia”, executada pela drag queen Roxy:

 

©











Loading...