Quase uma década atrás, foi anunciado que os trabalhos haviam começado no Museu da Academy of Motion Pictures. Previsto para se tornar a maior instituição dos EUA dedicada ao cinema, o museu prometeu uma programação imersiva e dinâmica que ilumina as infinitas histórias do cinema – sua arte, tecnologia, artistas, história e impacto social, mesmo quando crítico ou desconfortável. O projeto, localizado a poucos passos do Museu de Arte do Condado de Los Angeles e do Museu Automotivo Petersen ao longo da famosa Miracle Mile da cidade, acabou enfrentando uma série de contratempos. Problemas de financiamento, atrasos na construção e a pandemia continuamente atrasaram a data de inauguração do museu, que agora é 30 de setembro.

Museu da Academia de CinemaJosh White/Surface/Reprodução

O museu fica dentro da antiga loja de departamentos May Company, uma estrutura Streamline Moderne de 1939 recém-batizada de Saban Building. A Academia recrutou o arquiteto italiano Renzo Piano para preservar e dar nova vida ao edifício envelhecido, que é marcado por um cilindro dourado distinto na sua fachada. “O Museu da Academia nos dá a oportunidade de homenagear o passado ao criar um edifício para o futuro – na verdade, para a possibilidade de muitos futuros”, disse Piano em um comunicado. “O histórico Saban Building é um exemplo maravilhoso do estilo Streamline Moderne, que preserva a maneira como as pessoas imaginavam o futuro em 1939.”

Renderização cortesia de Renzo Piano Building WorkshopRenzo Piano Building Workshop/Surface/Reprodução

Para começar, ele substituiu 35% dos 350.000 ladrilhos de mosaico de folha de ouro do cilindro do fabricante original na Itália. Outras intervenções incluem a restauração da fachada com pedra calcária do Texas e a conclusão de uma série de reformas internas que criam espaço para uma loja, restaurante e 50.000 pés quadrados de espaço de galeria projetado em colaboração com a empresa local wHY Architecture.

Essa jornada para o futuro, por assim dizer, se materializa quando os visitantes cruzam duas passarelas elevadas em um edifício esférico gigante de vidro e concreto ao lado. A estrutura, talvez sem imaginação chamada de esfera e semelhante a um globo de neve gigante, abrigará cinemas com um terraço espaçoso protegido sob um telhado de vidro curvo. Além de oferecer vistas das colinas de Hollywood, a cúpula de 45.000 pés quadrados abriga um teatro vermelho-sangue com 1.000 lugares, em homenagem ao fundador da DreamWorks, David Geffen, que hospedará as principais exibições de filmes.

Introdução às “Histórias de Cinema” na Galeria da Família Spielberg, localizada no Grande Lobby do Museu da Academia.Renzo Piano Building Workshop/Surface/Reprodução

“O Sphere Building é uma forma que parece se erguer na perpétua viagem imaginária através do espaço e do tempo que está indo ao cinema”, diz Piano, totalmente ciente das influências da ficção científica da estrutura. “Ao conectar essas duas experiências, criamos algo que se parece com um filme. Você vai de sequência em sequência, das galerias de exibição ao cinema e ao terraço, com tudo se mesclando em uma experiência.”

Galeria Encontros em “Histórias de Cinema”.Renzo Piano Building Workshop/Surface/Reprodução

Nesse sentido, as experiências informam profundamente a programação permanente do museu. Assumindo os três primeiros andares está um show envolvente, chamado “Stories of Cinema”, que traça a evolução do filme em direção, roteiro, cinematográfico, áudio, figurino e efeitos especiais por meio da vasta coleção de memorabilia de filmes da Academia. Embora faça algumas concessões voltadas para o turista, cinéfilos dedicados ainda encontrarão muito o que amar. Os espectadores encontram o show pela primeira vez em uma tela elevada com paredes de vidro no saguão que segue para as Galerias Wanda e Rolex no andar de cima, que apresentam uma imersiva “experiência do Oscar”, vitrines de fantasias e uma sala inteiramente dedicada ao Mágico de Oz. Curadores convidados, como Spike Lee e Pedro Almodóvar, atualizarão a programação cerca de uma vez por ano.

Josh White/Surface/Reprodução

Shows temporários ocupam os andares superiores. O pontapé inicial é uma retrospectiva de Hayao Miyazaki – a primeira grande vitrine da amada obra do cineasta japonês nos Estados Unidos. Organizado com o Studio Ghibli, apresenta mais de 300 quadros de imagens originais, personagens, layouts, planos de fundo e pôsteres dos arquivos de Miyazaki, incluindo peças em exibição pública fora do Japão pela primeira vez.

Josh White/Surface/Reprodução

A programação também afetará os pontos cegos da indústria cinematográfica, especialmente quando se trata de diversidade. “Regeneration: Black Cinema 1989–1971” será lançado no ano seguinte para abordar o racismo profundamente enraizado e a história de exclusão da indústria do entretenimento. “Não queríamos que essas conversas ficassem em uma galeria separada – queríamos confrontá-las e contextualizá-las”, disse o diretor Bill Kramer no discurso de boas-vindas da semana passada, observando como as exposições abordarão elenco problemático, blackface e sexismo na animação.

Iwan Baan/Surface/Reprodução

Até a inauguração, o museu vai lançar programas virtuais como exibições de filmes, painéis de discussão e workshops a partir do final de abril, programado para a cerimônia do 93º Oscar. “O [museu] sempre foi um sonho da Academia, da cidade de Los Angeles e da indústria cinematográfica”, continua Kramer. “Estamos preparados para abrir e totalmente prontos para abrir. Continuaremos monitorando os componentes de saúde e segurança da inauguração em setembro, mas estamos nos sentindo muito bem com isso.”

©











Loading...