Clarice Lispector: 6 livros essenciais para compreender o estilo literário da escritora



Clarice Lispector: 6 livros essenciais para compreender o estilo literário da escritora (Foto: Divulgação)

 

Homenageada pela edição de junho da Casa Vogue, Clarice Lispector foi uma das escritoras brasileiras mais importantes para a literatura nacional (e internacional). Apesar de ter nascido na Ucrânia, veio ao país com apenas um ano de idade com a família, que fugia da perseguição de judeus com a Guerra Civil Russa. Por aqui, viveu primeiro em Maceió, depois Recife para, então, se fixar no Rio de Janeiro aos 14 anos, após a morte da mãe. Mais velha, estudou direito na Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), mas sempre teve interesse na literatura e no jornalismo.

 

Clarice Lispector: 6 livros essenciais para compreender o estilo literário da escritora (Foto: Ilana Bessler)

Em 1940, Clarice publicou na revista Vamos Ler! o conto de cunho feminista Eu e Jimmy, que foca na relação amorosa entre um homem e uma mulher. Depois disso, conseguiu um emprego como repórter na Agência Nacional, que lhe abriu novos horizontes como profissional. Os artigos publicados com análises sociais do que acontecia no Brasil na era Vargas ganhou a atenção dos editores e em 1941, com apenas 21 anos publicou seu primeiro livro, Perto do Coração Selvagem.

Escritoras emblemáticas inspiram decoração de ambientes (Foto: Ilana Bessler)

Clarice Lispector publicou oito romances, uma novela, sete contos, cinco livros infantis, entre outros textos como crônicas e artigos. Ela ficou conhecida pelo uso do cotidiano para contar histórias profundas, abordando psicanálise, realidade e ilusão, em personagens centrados em si e na sua existência no mundo, em narrativas intimistas. Aqui, Casa Vogue mostra dois ambientes inspirados no estilo de vida da escritora naturalizada brasileira e indica 6 livros essenciais para compreender o estilo literário de Clarice Lispector.

Perto do Coração Selvagem
Clarice Lispector: 6 livros essenciais para compreender o estilo literário da escritora (Foto: Divulgação)

 

Romance de estreia de Clarice Lispector na literatura, Perto do Coração Selvagem (Editora Rocco) é um marco não só na carreira dela, mas também na cena da literatura brasileira – tanto que o poeta Jorge de Lima descreveu como “um livro que deslocou o centro de gravitação em que girava o romance brasileiro”. A narrativa introspectiva e extremamente interior à protagonista Joana mostra suas percepções “banais” do dia a dia, uma mulher orfã de pai e mãe, que adorava as galinhas e não se adaptava muito bem aos ambientes externos a si. Clarice foca seu texto na narração em si, na qualidade linguística e não no objeto a ser descrito/narrado.

+ Tudo o que você precisa saber sobre as escritoras da Flip 2019

A Hora da Estrela
Clarice Lispector: 6 livros essenciais para compreender o estilo literário da escritora (Foto: Divulgação)

 

Publicada como novela em 1977, A Hora da Estrela (Editora Rocco) apresenta as desigualdades do Brasil, com a famosa personagem Macabéa. Nordestina, a personagem ícone de Clarice se muda para o Rio de Janeiro em busca de oportunidades melhores, mas se vê engolida pelo capitalismo desleal e precisa lutar para sobreviver em uma cidade tão cruel com as pessoas. Além dela, temos o escritor que precisa entender como retratar uma realidade que não é a sua – Rodrigo S.M. é a máscara ficcional da autora. Se você leu este livro na escola (ele foi literatura obrigatória por muitos anos), indico que releia depois de adulto.

+ Mulheres no cinema: 10 documentários para compreender o feminismo

Laços de Família
Clarice Lispector: 6 livros essenciais para compreender o estilo literário da escritora (Foto: Divulgação)

 

Vencedor do Prêmio Jabuti em 1961, Laços de Família (Editora Rocco) reúne 13 contos sobre o cotidiano doméstico e urbano de famílias de realidades variadas. Neste livro, Clarice flerta com as análises filosóficas da existência em sociedade, mesmo que em pequenos núcleos. Além, claro, de provocar o leitor a refletir sobre determinados comportamentos (se são bons ou ruins, positivos ou negativos), fugindo de qualquer lugar-comum.

+ Mulheres no cinema: 25 séries com protagonismo feminino para ver já

A Paixão segundo G.H.
Clarice Lispector: 6 livros essenciais para compreender o estilo literário da escritora (Foto: Divulgação)

 

Uma simples mudança na vida de G.H.: a protagonista-narradora despede a sua empregada e, ao encontrar o quarto onde ela vivia limpo e organizado, se frustar com esse cenário jamais imaginado por si. Ali, ela encontra uma barata e a mata, mas em um impulso animalesco, devora o inseto morto. Depois desse episódio um tanto quanto incômodo, nós, leitores, somos convidados para dentro da narrativa de uma forma muito particular e nos tornamos cúmplices do cotidiano de G.H.. A reconstituição desse sujeito sai da forma civilizada e se transforma em algo além. A Paixão Segundo G.H. (Editora Rocco) é para leitores de alma já formada, como a autora bem define no começo do livro.

Um Sopro de Vida
Clarice Lispector: 6 livros essenciais para compreender o estilo literário da escritora (Foto: Divulgação)

 

Último livro publicado por Clarice Lispector, Um Sopro de Vida (Editora Rocco) foi escrito na época em que ela estava doente.  A onipresença da música neste título é uma “homenagem” da autora para a importância da arte em sua vida. Ela descreve a experiência como a sua tentativa de traduzir coisas que são difíceis de se descrever em palavras. O narrador-escritor escreve sobre Angela Pralini (personagem que aparece em outras histórias de Clarice) e, durante o processo de escrita, se enxerga em um espelho invertido. É como se o objeto de sua escrita o colocasse diante de desejos, vontades, anseios próprios.

A Maçã no Escuro
Clarice Lispector: 6 livros essenciais para compreender o estilo literário da escritora (Foto: Divulgação)

 

A Maçã no Escuro (Editora Rocco) conta a história de Martim, que está fugindo após um crime que supostamente cometeu, mas não se lembra muito bem do ocorrido, desconcertado em si entre o medo e a vontade de ser livre. O livro, como de costume de Clarice, não traz uma narrativa policial convencional, muito menos um crime comum. Somos levados a entender a abstração e o simbolismo desse “crime” cometido pelo protagonista por meio da descrição absurda de detalhes do cenário chamado vida. A organização do livro é com apenas três capítulos com três personagens centrais e outros secundários.

Acompanha tudo de Casa Vogue? Agora você pode ler as edições e matérias exclusivas no Globo Mais, o app com conteúdo para todos os momentos do seu dia. Baixe agora!

 

©