“A primeira grande inclusão de um portador de necessidades especiais começa sempre no meio em que ele vive, ou seja, em sua casa, em seu seio familiar. Muito se fala em inclusão de deficientes perante a sociedade, mas poucos são os que param para pensar numa inclusão dentro de casa”. (retirado do texto – Inclusão de portadores de deficiência – blog eficiencia)

O trecho acima resume em parte o que se pode dizer sobre inclusão. Muitos esforços são feitos nos mais diversos segmentos para garantir inclusão social às pessoas com deficiência (este é o termo correto), inclusive com orientação de políticas e leis voltados ao atendimento de suas necessidades especiais, mas pouco é divulgado sobre as soluções arquitetônicas que podem ser adotadas dentro de casa para garantir sua qualidade de vida. Neste post vou tentar resumir aquelas que considero principais, neste caso para pessoas com deficiência física. O post vai ficar bem longo, mas preferi reunir todas as informações em uma só publicação, para facilitar a pesquisa sobre o assunto.
Imagem: Decoratrix

Para iniciar vou mostrar este apartamento, projetado por Avima (Mamen de la Concha e Ana Roces), para o Centro Intergeracional Ovida, Oviedo, retirado do blog Decoratrix . Isto porque certamente é um projeto que merece o destaque, pelo cuidado aos detalhes arquitetônico e por demonstrar que um ambiente acessível pode ser funcional e ao mesmo tempo bonito.


Imagem: Decoratrix
Alguns detalhes nas duas fotos acima merecem atenção: A mesa de jantar tem pés nas extremidades e altura adequada à aproximação confortável da cadeira e rodas. O armário possui puxadores baixos, pra viabilizar o alcance para abertura. O piso é liso, sem degraus e até um tapete foi permitido, com o cuidado de ter perfil baixo e ficar bem rente ao chão.


Imagem: Decoratrix
Na cozinha o uso de bancadas sem armários inferiores, e com altura até 85 cm, permite o uso da pia e do cooktop com todo o conforto. Carrinhos móveis ajudam a organizar os acessórios evitando barreiras fixas. O espaço de armazenamento e os utensílios usados com maior frequência são posicionados na altura de até 1,20 metros para viabilizar o manuseio.

Imagem: Decoratrix


Imagem: Decoratrix
De uma maneira geral os banheiros são os espaços dos quais mais encontramos material referente à acessibilidade, mas o universo das pessoas com deficiência vai muito além deste espaço, vale lembrar!! Mais abaixo no post vou inserir dicas por ambiente para facilitar a leitura.
Imagem: Decoratrix
Fiquei encantada com as dicas para o quarto neste post, especialmente os acessórios usados no armário para permitir o alcance das roupas penduradas no alto e a cadeira de escritório adaptada para garantir firmeza e conforto sob a bancada.
Imagem: Decoratrix
Imagem: Decoratrix

Imagem: Decoratrix
DICAS POR AMBIENTE – CASAS ACESSÍVEIS
SALA: Deve ter dimensões e forma que permitam a disposição e o uso adequado de, no mínimo, uma mesa, mobiliário para sentar e espaço de convivência social, de modo a possibilitar que o usuário de cadeira de rodas disponha de:
  1. Área de aproximação ao mobiliário, à janela e a eventual terraço, com alcance e manuseio de todos os dispositivos de comando e equipamentos; 
  2. Área de manobra com amplitude mínima de 180°, para entrar e sair de frente; 
  3. Espaço para circulação entre móveis de, no mínimo, 80 cm; 
  4. Área de visibilidade situada a, no máximo 60 cm, de altura do piso, permitindo alcance visual para uma pessoa sentada.

Imagem: Casa Claudia
Imagem: Fashion Submarine
Imagem: Industrial SP

QUARTO: Pelo menos um dormitório deve ter dimensões e forma que permitam a disposição e o uso adequado prioritariamente para uma cama de casal e armário para roupas, de modo a possibilitar que o usuário de cadeira de rodas disponha de: 

  1. Área de aproximação ao armário, à janela e a eventual terraço, com alcance e manuseio de todos os dispositivos de comando e equipamentos; 
  2. Área de transferência lateral à cama; 
  3. Área de manobra com amplitude mínima de 180°, para entrar e sair de frente; 
  4. Espaço para circulação entre móveis de, no mínimo, 80 cm; 
  5. Espaço para aproximação e transferência para camas.

Quarto adaptado

Robson Gonzales
Imagem: Isa Cabeça de Vento
Imagem: Casa Claudia


COZINHA: Deve ter dimensões e forma que permitam a disposição e o uso adequado de, no mínimo, um fogão, uma geladeira e uma pia, assim como espaço de armazenagem para utensílios de cozinha, ingredientes e alimentos, de modo a possibilitar que o usuário de cadeira de rodas disponha de:
  1. Área de aproximação lateral ao fogão e à geladeira, com espaço que possibilite ao usuário de cadeira de rodas posicionar-se lateralmente à frente desses equipamentos; 
  2. Área de aproximação frontal ou lateral e local de armazenamento para utensílios de cozinha e alimentos; 
  3. Área de aproximação frontal à pia, com espaço livre de 25 cm sob o móvel; 
  4. Pia com tampo reforçado, na altura máxima de 85 cm, a partir do piso, e torneira de mesa com comando adequado, conforme item “Instalações hidráulicas” (Os registros de pressão e de gaveta devem estar situados entre 40 cm e 1,2 m de altura, a partir do piso acabado. As torneiras da pia e lavatórios devem ser de bancada, instaladas a uma distância máxima de 50 cm da borda, para o adequado alcance manual de seus comandos)
  5. Área de manobra com amplitude mínima de 180°, para entrar e sair de frente;
  6. Registro de gás posicionado lateralmente ao fogão, cujo nicho deve ter largura mínima de 75 cm, com altura compatível com as normas estabelecidas pela concessionária, entre 40 cm e 1,2 m, a partir do piso.
Imagem: Marzua
Imagem: Marzua
Imagem: Simples Decoração
Cozinha acessível
Robson Gonzales



Imagem: Casa Claudia
 A bancada sem armários inferiores permite acesso livre a toda a superfície de trabalho com conforto, garantindo um dos principais objetivos da acessibilidade: autonomia e independência ao usuário.

Imagem: UOL Mulher
Imagem: UOL Mulher
Armários baixos para armazenamento, com altura inferior a 120 cm são ideais.
Imagem: Blog do Cadeirante


Imagem: Portal PCdoline
ÁREA DE SERVIÇO: Deve ter dimensões e forma que permitam a disposição e o uso adequado de, no mínimo, um tanque, uma lavadora de roupas (com abertura frontal) e varal, de modo a possibilitar que o usuário de cadeira de rodas disponha de: 
  1. Área de aproximação frontal ao tanque com 25 cm de espaço livre sob a louça;
  2. Tanque com coluna e fixação adequada; 
  3. Alcance manual da torneira do tanque, com distância máxima do comando de 50 cm; 
  4. Área de aproximação à máquina de lavar roupa, de modo que a cadeira de rodas possa posicionar-se lateralmente à frente do eletro doméstico.

Lavanderia acessível
Robson Gonzales
BANHEIRO: Deve ter dimensões e forma que permitam a disposição e o uso adequado de vaso sanitário, chuveiro, lavatório, bem como espaço de armazenagem para produtos de higiene pessoal, de modo a possibilitar que o usuário de cadeira de rodas disponha de:

  1. Área de aproximação frontal ao lavatório, com 25 cm sob a louça; 
  2. Lavatório de embutir sobre bancada, contendo torneira de mesa com comando adequado, que deve ficar a uma distância máxima de 50 cm da borda da bancada;
  3. Área de transferência frontal, diagonal e lateral à bacia sanitária; 
  4. Área de transferência lateral, externa ao box do chuveiro; 
  5. Box com dimensão mínima de 90 cm x 95 cm; 
  6. Área de manobra com amplitude mínima de 180°, para entrar e sair de frente; 
  7. Materiais construtivos capazes de suportar a fixação de barras de sustentação em todas as paredes.
Imagem: Casa Claudia
Imagem: Simples Decoração
Imagem: Casa Claudia

Imagem: Casa Claudia
Resultado de imagem para banheiro para deficiente

Imagem: Cadeirante RJ
Texto: BBel (http://bbel.uol.com.br/organizacao/como-deixar-a-casa-mais-acessivel-para-cadeirantes/)

  • No banheiro e, em qualquer área molhada, como cozinha e área de serviços, o ideal é utilizar pisos antiderrapantes. Pisos com brilho e polidos devem ser evitados;
  • Para os cadeirantes, as bancadas e pias devem ter entre 75 e 80 cm de altura acabada;
  • O boxe deve ter barras de apoio, uma cadeira fixa pode ser utilizada, mas não é uma regra. Há pessoas que preferem tomar banho utilizando-se de cadeira de rodas de banho, evitando-se assim a transferência para a cadeira fixa dentro do boxe;
  • O chuveiro deve ter uma ducha manual com possibilidade de regulagem de altura, os comandos de temperatura de água devem ser do tipo monocomando e estarem fixados a 1 metro de altura do piso;
  • O espelho deve ser inclinado quando tiver fixação acima de 90 cm de sua base inferior, acima disto deve ter inclinação de 10 graus;
  • Os acessórios, como toalhas, sabonetes, shampoo, condicionador, etc, devem ser fixados dentro da faixa de alcance, entre 80 cm e 1,20 m;
  • O lixo sem tampa é melhor, mas a escolha é pessoal.
Imagem: Blog do Cadeirante
Resultado de imagem para basket weave tile bathroom
Imagem: Houzz

Imagem: Houzz
Imagem: Norton & Stafford

  

Imagem: Um Brinco
Imagem: WordPress
E para quem acreditava que não existia acessibilidade a piscinas…

Imagem: Make Sobre Rodas
Imagem: Tabitha Fincham

Dicas gerais de acessibilidade

Casa acessível

Robson Gonzales
  • Os interruptores e objetos devem ter altura entre 80 cm e 1,20 m;
  • As torneiras devem ser nos modelos alavanca ou com sensores automáticos;
  • As pias podem ser comuns, mas o sifão deve ser flexível e haver área de aproximação frontal;

    ©









    Agoda WW


    Loading...
    Zaful WW
    Banggood WW